24.1 C
São Paulo
quarta-feira, 22 maio, 2024
Portal Big ABC by Juliana Bontorim
Colunista Gabriela Freitas Gastronomia Principal

Família se reúne para cozinhar rosquinhas de pinga e manter tradição da avó

#cheers #hellofolks

As rosquinhas de pinga da vovó Henriqueta é famosa e afetuosa para a família Lucas Mori e Micheloni. Descendentes de italianos e espanhóis, a tradição de cozinhar e levar amor e sabor através da comida faz parte dos laços que unem a todos que integram a família.

Como forma de gratidão, a avó Henriqueta Lucas Mori todo final de ano preparava as rosquinhas de pinga para entregar para as pessoas que amava. Enquanto lhe traziam presentes, a dona da famosa receita agradecia com os biscoitos.

As rosquinhas de pinga

Porém em 15 de novembro de 2018 a querida vozinha faleceu deixando os corações dos familiares tristes, mas repleto do amor que em 88 anos de vida Henriqueta carregava. Então para manter viva a gratidão natalina, os filhos, sobrinhos, netos e bisneto se reuniram naquele mesmo ano para cozinhar as deliciosas rosquinhas de pinga e tornar o Natal ainda mais harmonizo entre eles.

“As rosquinhas de pinga são feitas pela minha mãe desde que me conheço por gente. Desde menininha via minha mãe fazer. Assim foram todos os anos e sempre nessa época. Resolvemos dar continuidade, uma forma de homenageá-la e mostrar o quanto ela está viva em nossos corações! E foi com muita emoção, mas também com alegria, que unimos a família, nos vestimos com aventais iguais, e assim fizemos as rosquinhas“, conta Sirlene Maria Lucas Mori Micheloni, filha da matriarca da família.

A união

O propósito de cozinhar juntos as tradicionais rosquinhas deu tão certo, que em 2019 a família repetiu a dose.  “Estávamos ansiosos para fazermos as rosquinhas.  Combinamos uma data para que todos pudessem estar presentes. Nos reunimos, fizemos uma oração de gratidão pela nossa união e por estarmos juntos na cozinha dela, para fazer o que ela gostava de fazer, as rosquinhas de pinga. A emoção chegou muito forte para mim, senti o amor, a presença dela, difícil conter as lágrimas enquanto misturava os ingredientes“, declara emocionada a caçula de Henriqueta.

A produção das rosquinhas é bem planejada, cada integrante da equipe tem uma função. Entre elas, juntar os ingredientes, amassar a massa, cortar e moldar, ir para o forno, aguardar esfriar e banhar no chá, na pinga e no açúcar, esperar mais um pouco, e colocar nos potes já etiquetados. “Antes de fechar, um pensamento de gratidão e amor pela pessoa que irá receber“, comenta Sirlene, que é chamada pelos familiares de Sica.

A família

Manter a união familiar é o objetivo dos Lucas Mori e Micheloni. Por isso, a época natalina é o momento em que todos estão juntos para confraternizar.

“Nossa tradição é de reunir os filhos e netos para ceia, e não tem acordo, queremos todos conosco. Reunir a família é dar continuidade o que Jesus nos ensinou. Estar perto um do outro é se sentir em casa, seguro, é aconchego“, salienta Sica.

Da esquerda para direita: Os irmãos Rosa Maria, Gilmar e Sirlene – filhos da dona Henriqueta

O almoço de Natal era realizado na casa da vovó Henriqueta, mas depois que ela morreu ficou a cargo da Sirlene receber os familiares tanto para ceia na véspera quanto no dia 25.

“Antes da ceia, fazemos nossa oração e agradecemos ao `Menino` por mais um ano estarmos juntos, reunindo e unindo a família! Trocamos presentes e muitos abraços e beijos“, relata a anfitriã.

Em cada palavra e pensamento da família é possível perceber a gratidão a dona Henriqueta.

“Ela sempre vai ser uma mulher muito especial, a frente do seu tempo, uma mulher forte, filha de espanhóis, coerente e muito equilibrada. Mãe maravilhosa, que sempre soube conduzir a casa, a família. Uma mulher com pouco estudo, mas com tamanha sabedoria, dura e enérgica quando precisava ser, e generosa e amorosa por toda vida. Com a risada mais gostosa que já ouvi. Ah que saudades de ouvir seu riso e de pedir sua benção“, diz Sirlene.

Essa união é vista durante o ano inteiro com a noite do caldo, da pizza, churrasco, celebração de aniversário e muita alegria. Para essa família não tem tempo ruim e sempre tem um lugar a mais na mesa. “Muito orgulho e gratidão da onde eu vim, com quem estou e para onde estamos indo, sempre com amor, gratidão e fé!“, conclui Sica.

 

 

 

Fotos: Reprodução

Artigos Relacionados

Treinamento prático em São Bernardo agrega conhecimento para futuros vendedores

Juliana Bontorim

Educação de Ribeirão Pires inicia uso de metodologia Lego Braille Bricks Brasil

Juliana Bontorim

Santo André inicia celebrações dos 469 anos com homenagem a João Ramalho

Juliana Bontorim
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade & Cookies
error