27.8 C
São Paulo
quarta-feira, 17 abr, 2024
Portal Big ABC by Juliana Bontorim
Saúde

Região do ABC terá campanha de doação de medula óssea na próxima 4ª feira

Equipe da Santa Casa de SP estará em 06/03, das 8h às 14h, no campus da FMABC para cadastrar interessados em fazer parte do Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME)

A Fundação do ABC e o Centro Universitário FMABC organizam na próxima quarta-feira (6 de março), das 8h às 14h, a primeira campanha para cadastro de doadores de medula óssea das entidades. A ação ocorre em parceria com a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, uma das poucas instituições habilitadas a realizar o cadastro de interessados no Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME), do Instituto Nacional de Câncer (INCA). Para se tornar doador é necessário ter entre 18 e 35 anos de idade, boa saúde e portar documento com foto. Serão coletados 10ml de sangue do braço do candidato para análise e registro do material no REDOME. A coleta será aberta ao público e ocorrerá na Sala de Infusão do Prédio Anexo 3, no campus do Centro Universitário FMABC (Av. Príncipe de Gales, 821 – Santo André/SP).

Além da parceria com a Santa Casa de São Paulo, a primeira campanha de doação de medula da FUABC-FMABC conta com apoio da Casa Ronald McDonald ABC, do Grupo de Assistência e Tratamento Oncológico Pediátrico do ABC (Grato-ABC), da Unidade de Apoio Administrativo da FUABC e do Insanos Moto Clube.

“Estamos entusiasmados com a possibilidade de trazer para o ABC uma campanha de cadastramento de doadores de medula óssea. Hoje os interessados precisam se deslocar até o Hemocentro da Santa Casa de São Paulo ou ao Hospital São Paulo da Unifesp, ambos na Capital. Nosso objetivo é justamente facilitar o acesso para os moradores da região ao cadastro do REDOME e, especialmente, aos alunos do Centro Universitário FMABC, que estão na faixa etária compatível para o cadastramento como possíveis doadores”, informa o vice-Reitor da FMABC, Dr. Fernando Fonseca.

A parceria entre FUABC-FMABC e Santa Casa de Misericórdia de São Paulo foi possível graças ao intermédio da colaboradora da Unidade de Apoio Administrativo da Fundação do ABC, Roberta dos Santos Pinto, que há cerca de 20 anos curou-se de um câncer, um linfoma de Hodgkin, e desde então mantém contato com obras sociais, ONGs e hospitais ligados à causa.

“Eu conhecia o trabalho da Santa Casa e pensei que seria bastante relevante desenvolvermos esse tipo de campanha aqui no ABC. Fico muito feliz que as tratativas deram certo. Tenho certeza de que teremos uma linda campanha, em favor de muitos pacientes que aguardam por um doador de medula compatível”, acrescenta Roberta.

Além da campanha para cadastramento de doadores de medula óssea, FUABC e FMABC também organizaram um evento de sensibilização para alunos, colaboradores e demais interessados. No dia 28 de fevereiro, Reinaldo Gomes, presidente da ONG Instituto Augusto Abou na Luta contra o Câncer, esteve no campus universitário para uma palestra de esclarecimento sobre a importância da doação de medula óssea.

ATO DE AMOR

Para se tornar um doador voluntário de medula óssea é preciso ir ao hemocentro mais próximo habilitado no REDOME (confira a lista dos locais em https://redome.inca.gov.br) e coletar no braço uma pequena amostra de 10 ml de sangue para o exame de tipagem conhecido como HLA. Basta ter entre 18 e 35 anos de idade e apresentar documento de identificação oficial com foto. É preciso estar em bom estado geral de saúde. O procedimento de coleta dura poucos minutos, mas pode salvar muitas vidas! Os candidatos a doação permanecem no cadastro nacional até completarem 60 anos e podem ser contatados em caso de um paciente compatível precisar da doação.

Conforme detalhado pelo REDOME, o transplante de medula óssea é um tratamento indicado para doenças relacionadas com a fabricação de células do sangue e com deficiências no sistema imunológico, entre as quais leucemias, linfomas e anemias graves. O procedimento é rápido, como uma transfusão de sangue, e dura em média duas horas. Ele consiste na substituição de uma medula óssea doente por células normais da medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

O paciente, depois de se submeter a um tratamento que destruirá a sua própria medula, receberá as células da medula sadia de um doador. Estas células, após serem coletadas do doador, são acondicionadas em uma bolsa de criopreservação de medula óssea, congeladas e transportadas em condições especiais até o local onde acontecerá o transplante.

 

Da Redação

Foto: Banco de imagens/Canva

Confira mais notícias em Portal Big ABC

Artigos Relacionados

São Caetano inaugura maior Clínica de Odontologia pública

Juliana Bontorim

No verão, os olhos precisam de cuidados redobrados

Juliana Bontorim

Ribeirão Pires recebe carreta de mamografia a partir de domingo

Juliana Bontorim
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade & Cookies
error