14.6 C
São Paulo
sábado, 13 jul, 2024
Portal Big ABC by Juliana Bontorim
Big ABC Diadema Principal

Cidade anuncia criação de Conselho Municipal dos Direitos Humanos

Para intensificar em Diadema a implantação de políticas públicas relacionadas ao respeito aos direitos do ser humano em todas as duas dimensões, a Prefeitura protocolou na Câmara Municipal projeto de lei criando o Conselho dos Direitos Humanos.

O novo Conselho faz aumentar a participação popular na definição das novas políticas do setor e consolida o trabalho desenvolvido até agora nesta que é uma das prioridades da atual administração. “É para colocar na ordem do dia a pauta dos Direitos Humanos enquanto direito universal, que é o caminho a ser construído para que tenhamos uma sociedade mais justa e solidária”, disse Fatinha Queiroz, secretária de Planejamento e Gestão, durante mesa de reflexão realizada para debater os desafios dos conselhos municipais frente à questão dos Direitos Humanos.

Segundo Queiroz, os programas da Prefeitura busca transformar a vida das pessoas, um desafio enorme considerando que Diadema tem a segunda maior densidade demográfica do país e parte da população está em situação de pobreza e carente de proteção, respeito e direitos.

O Conselho de Direitos Humanos será mais uma ferramenta de participação popular para a viabilização de políticas públicas em defesa da dignidade da pessoa, conforme disse o prefeito José de Filippi Júnior. “Os conselhos dão eficácia e dão forma a esse método de participação popular e nós vamos caminhar nessa direção”, disse o prefeito, lembrando que esses coletivos dão eficácia à sua gestão: “A participação popular não é para enganar ou enrolar, é para fazer o gestor acertar”.

Indignação e consciência

A mesa de reflexão foi realizada com a presença de dois convidados, o advogado Ariel de Castro Alves e a professora Rosalina Santa Cruz. Ariel, presidente do grupo Tortura Nunca Mais, disse que aqui no Brasil os direitos humanos não são respeitados exatamente pelos setores que querem manter seus privilégios e suas práticas nefastas. Ele lembrou que Diadema, historicamente, sempre foi um espaço de defesa dos Direitos Humanos, uma espécie de celeiro nessa luta, e a atual gestão dá continuidade a essa história com programas como o Centro POP, a patrulha Maria da Penha, o ambulatório Dia Trans e a reestruturação dos conselhos populares.

Ariel afirmou que existe um racismo institucionalizado na sociedade brasileira, e que a tarefa daqueles que defendem a democracia é não se calar: “Nós nunca podemos perder nossa capacidade de indignação, e é isso que nos move na luta pelos Direitos Humanos”, comentou.

Para a ativista e militante feminista Rosalina Santa Cruz, existe hoje no país um desrespeito total aos Direitos Humanos, com uma sociedade racista, intolerante e excludente: “Somos o oitavo produtor de carne no mundo e vemos crianças famélicas pedindo comida na porta do supermercado e famílias disputando comida no lixo, e aqueles que têm um pouco mais acham que é uma situação normal e nem se revoltam”.

Além disso, Cruz disse que o sistema capitalista aprofunda a desigualdade social e econômica e que a luta pelos Direitos Humanos deve fazer parte do nosso cotidiano para que essa situação seja revertida. “Todos ser humano tem direito à alimentação, saúde, liberdade e estudos”, defende Rosalina.

 

 

Texto e foto: enviados pela Comunicação de Diadema

 

Acompanhe mais notícias, aqui!

Artigos Relacionados

Startup de Taubaté promove atividades em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Juliana Bontorim

Ônibus de São Caetano terão tarifa zero a partir desta quarta

Juliana Bontorim

Ribeirão Pires promove concerto com trilhas sonoras de cinema

Juliana Bontorim
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Saiba Mais

Política de Privacidade & Cookies
error